terça-feira, 25 de novembro de 2008

Todo dia

Tenho o maior orgulho de prover, de orientar, de prever. Embora sinta que tudo está ao contrário, insisto na minha direção, olho para dentro e me sinto bem. As dificuldades e as surpresas são muitas, são várias, são diárias. A paz foi tirada, a luz quase foi apagada, no ar se ouviu a gargalhada, a calma foi arrancada, mas aqui tudo é mais, é muito, é maior. A claridade se faz presente de novo. O sorriso já não tarda e tudo segue o seu rumo, apesar dessa louca vida. Nos vasos ainda não se vêem flores, mas a primavera já não tarda a nos visitar. A música já invade os espaços, apesar da janela não estar escancarada. Talvez ainda falte um lugar onde não se more, mas se viva. Talvez lá, a noite possa, definitivamente, zelar com carinho o nosso sono.
Postar um comentário