sábado, 1 de novembro de 2008

Cadê o meu rosto?

O resultado da vida sem sonhos e esperanças é semelhante ao daquela foto tirada com um saco de papel na cabeça. Nela, todos são iguais e sem rosto, apenas cumprindo o seu triste papel de figurante. No máximo, podem chegar a ser coadjuvantes. O palco e as luzes, definitivamente, ficam longe demais.
Postar um comentário