terça-feira, 11 de novembro de 2008

Crise? Que crise?

Sim, foi assim. O ser humano inventou a roda, aprendeu a dominar o fogo, começou a assar a carne de caça e se alimentou melhor. Suas necessidades básicas de moradia e alimentação foram, aos poucos, sendo supridas. A caverna se tornou confortável e a carne assada era boa. O tempo passou, o homem evoluiu, máquinas foram inventadas, a vida foi automatizada e o mundo foi globalizado. Mas, o que a princípio era uma grande idéia, com mercados unificados, comércio facilitado entre os povos, sistemas financeiros interligados, está se tornando um pesadelo. O mundo enfrenta hoje uma crise financeira que afeta a todos, sejam ricos ou pobres. Os ricos sentem no bolso, já que os seus investimentos não rendem aquilo que esperam e, com isso, sofrem uma perda de dinheiro. Gigantescas e outrora fortes indústrias, grandes empresas seguradoras mundiais e grandes bancos estão ameaçando fechar suas portas, em uma quebradeira generalizada. É uma verdadeira derrocada do capitalismo. Nesse meio tempo, os pobres estão ficando cada vez mais pobres. E, o máximo dos absurdos, é a fome que assola muitos povos. Com a tal crise, o preço dos alimentos está se elevando e as populações miseráveis de várias nações do mundo estão morrendo à míngua. Como exemplo disso, temos várias nações da África e da América Central onde a população pobre alimenta seus filhos apenas com uma mistura de água e sal, diariamente. Alguns povos não estão se desenvolvendo fisicamente devido a falta de alimentos durante a vida e estão perdendo estatura a cada geração que passa. São os "pigmeus da fome". É inadmissível que em pleno século 21, enquanto se gasta rios de dinheiro em guerras e na corrida espacial por exemplo, seres humanos morram de fome. Não é concebível que, nesse mundo interligado pelos meios de comunicação e totalmente rastreado por satélites, as pessoas morram de inanição e se tornem alimento para os abutres. É cruelmente desumano! Para onde vamos? É preferível auxiliar bancos falidos ou alimentar populações a beira da morte? Por que as nações ricas não promovem uma alimentação globalizada? Aposto que se as crianças de cada canto da Terra estivessem bem alimentadas e fortes, o futuro da espécie humana seria muito melhor. Da maneira que vai, estamos nos destruindo pouco a pouco, seja pela falta de dinheiro, pela falta de comida ou pela falta de esperanças. Será que não deveríamos rever tudo isso e começar de novo? Talvez ainda haja tempo.
Postar um comentário