terça-feira, 21 de abril de 2009

Os invernos do meu passado

Que saudades dos invernos de décadas atrás! Eram tempos em que o frio era enfrentado com distinção e elegância, em especial no Sul do Brasil, de onde vêm essas minhas recordações. Usavam-se sobretudos, chapéus e as charmosas capas de gabardine nos dias de chuva. A conversa corria animada, enquanto se tomava um delicioso cafezinho no balcão do acolhedor Café Ponto Chic em São Lourenço do Sul ou no tradicional Café Aquário em Pelotas, no Rio Grande do Sul. Os dias começavam a ser aquecidos por uma boa conversa com os amigos, naquelas geladas manhãs de julho. Os mais diversos assuntos eram discutidos nesses momentos. Política, economia, os resultados dos últimos jogos de Grêmio e Internacional e até a temperatura da noite anterior eram amplamente debatidos nas manhãs daquelas saudosas décadas de sessenta e setenta. Àquelas eram épocas em que a civilidade e a amizade eram vividas em despretensiosos bate-papos cotidianos, em um tempo em que até o frio tinha mais graça do que tem hoje.

Sonzeira operária

Quem vê aquela banda detonando em cima do palco, fazendo aquela sonzeira, nem desconfia. Os músicos cabeludos assinam contratos de prestação de serviço e existem horários para jantar, antes dos shows. Os sorrisos são ensaiados para as fotos e os autógrafos nos CD’s são feitos em série. A correria é grande, pois a gravadora quer outro álbum para o final do ano! O som de garagem se transformou em empresa! Já não se faz o bom e velho rock apenas por prazer, como antigamente...! Mesmo assim, basta que as luzes se apaguem e comecem os primeiros acordes, para esquecermos isso e comecemos a fazer parte do espetáculo. Afinal, antes de um estilo musical, o rock é uma filosofia de vida e uma forma única de enxergar esse mundo que nos cerca. É, antes de tudo, pura energia!

Ctrl C / Ctrl V

Sem sombra de dúvidas, uma das maiores invenções da era moderna, é o Ctrl C / Ctrl V! Atualmente, se precisarmos copiar ou substituir um texto, o fazemos praticamente sem esforço, simplesmente utilizando o Ctrl C / Ctrl V. Em um piscar de olhos, lá está o novo texto prontinho, sem a necessidade de reescrevê-lo manualmente. Redações, trabalhos escolares, relatórios científicos, enfim, tudo ficou muito mais fácil de ser feito depois do mágico surgimento do Ctrl C / Ctrl V. Este recurso, realmente veio para facilitar tudo. Eu estive pensando: e se pudéssemos utilizar o Ctrl C / Ctrl V também no dia a dia de nossas vidas? Você está triste? Dê um Ctrl C / Ctrl V e substitua este momento atual por aquele outro, vivido ontem, onde tudo era só alegria. A namorada te deixou? Aplique rapidamente um Ctrl C / Ctrl V e retorne aos momentos de romance e paixão de vocês. O seu gerente está uma fera com você? Ctrl C / Ctrl V nele! E, reviva os momentos em que ele estava até pensando em te dar uma promoção. Aquelas roupas já não servem mais? Regime? Que nada! Puxe da manga um Ctrl C / Ctrl V e volte à antiga forma! Diariamente, nós veríamos comerciais de TV dizendo: Ctrl C / Ctrl V! Não deixe de utilizar o seu! Você verá que a vida não será a mesma depois dele! Experimente! E aí? Não seria legal? Nesse mundo onde a tecnologia avança tão rápido, você duvida que isso possa acontecer? Hã? Com esse barulho, acabei acordando...

Amor de inverno

Vento varrendo ruas geladas
Folhas secas voando sem direção
Camas aquecidas pelo fogo da paixão...

segunda-feira, 20 de abril de 2009

domingo, 19 de abril de 2009

Estiagem

Vegetação seca
Sol a pino
Olhar marejado

Por quê?

Era uma vez, um garoto que permanecia mudo dentro da sala de aula
Todos, professores e colegas, perguntavam por quê
Até que um dia, com esforço, ele falou
Que a gagueira o forçava a ser assim
Ele não sabia por quê
Mas ela sempre estivera com ele
E que apenas sempre fora assim...

Era uma vez, uma menina que nunca ia às festas das amigas
As mães e as próprias amigas, perguntavam por quê
Um dia, após muito chorar, ela falou
Que não tinha dinheiro para comprar vestidos
Ela não sabia por quê
Sua família era pobre
E que, em sua casa sempre fora assim...

Era uma vez, um menino que aparecia com marcas roxas na pele
Todos, mestres e colegas, perguntavam por quê
Em certa manhã, aos prantos, ele falou
Que apanhava de seus pais em casa
Ele não sabia por quê
Mas que todos os dias isso se repetia
E que apenas sempre fora assim...

Por quê?


* Inspirado na canção MMM MMM MMM MMM da banda Crash Test Dummies

O paraíso dos menestréis

E se, ao saírem dessa vida, todos os menestréis fossem para um único lugar? Seriam poetas, cantores, músicos e outros artistas reunidos no mesmo canto do paraíso. Ouvir-se-ia versos, cantos, acordes, estrofes e notas musicais em um único e eterno espetáculo. A eternidade certamente, não seria mais a mesma... Quem teria medo de ir para lá?

Do verde ao inferno

Se o homem pudesse quantificar toda a vida que existe na floresta, jamais provocaria incêndios e queimadas nesse mundo verde. O fogo, avassalador, consome tudo o que vê pela frente. Os animais que conseguem, fogem desesperados. As árvores, plantas menores, ervas, insetos e microorganismos são impiedosamente consumidos pelas chamas. Após o incêndio na floresta, as primeiras gotas de chuva, ao cair, entram em contato com as cinzas ainda quentes no chão e tentam evaporar. Em vão! Elas só conseguem borbulhar, como se fosse lava quente. O que antes era um paraíso verde e rico em vida, transforma-se em um verdadeiro inferno sobre a terra. E a raça humana, ainda se considera um espécime racional e inteligente. O que faria, então, se não o fosse?

sábado, 18 de abril de 2009

Futebol no tapete da sala

Em uma conversa agora a pouco com meu filho, veio a tona algo de nosso passado. Ao fazer uma arrumação em seu quarto, ele encontrou uma bolinha de couro, já velhinha e desgastada. Imediatamente, veio me mostrar e lembrou que era com aquela bolinha que nós dois brincávamos sobre o tapete da sala de casa, quando ele era pequeno. Ele deveria ter uns três ou quatro anos de idade e, nós dois em cantos opostos da sala, ficávamos jogando, ora com os pés, ora com as mãos. O jogo consistia basicamente, em eu arremessar a pelota e ele, tal qual um goleiro, defender. Com muito esforço, ele se atirava, se esticava todo e conseguia defender a maioria de meus “chutes”. Era uma festa! Hoje, muitos anos depois, ao ver a bola, eu disse: “pôxa, como está velhinha!”No mesmo instante, ele sem pestanejar, me respondeu: “é por que ela tem toda uma história, pai!” Preciso dizer mais alguma coisa?

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Além do horizonte...

Amantes distantes...
Estrada infinita!
Sentimento desbotado...

Sábia sabiá

Sábia é a sabiá
Que fica no ninho
Até o filhote voar
Atenta mãe sabiá
Sabe ela
Que um belo dia
Alçar vôo
O filho sabiá saberá...

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Chuvisqueiro

A chuva, silenciosa, cai
Vida cinzenta, triste
Lágrimas do céu...

Sujidade

A natureza, inocentemente, se doa
Só devolvemos lixo à ela
Até quando?

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Cheiro de pretérito

Fecho os olhos
Aroma de araçá
da infância

Goma ou grude?

Prova de matemática!
Professora atenta, alunos apavorados.
- Não olhe pro lado, menino!
- Seja qual for a desculpa, não cola!

domingo, 12 de abril de 2009

Pegadas de coelho

Domingo de Páscoa! Embora com os filhos crescidos e já na faculdade, fiz hoje pegadas de coelho com farinha e carinho pelo chão da cozinha e deixei os ovos de chocolate cuidadosamente escondidos. Por um instante os vi pequenos, pulando de alegria, carinha de sono, a procura de suas cestas com os ovos. Um dia, em uma outra época, tomara que meus netos possam viver também essa singela fantasia. Feliz Páscoa!

sábado, 11 de abril de 2009

Alucinatório

Ambiente escuro, latejante. Palco aceso e em ignição, som nas alturas, estourando os tímpanos. Milhares de mãos erguidas em sinal de uma aguda e precisa sintonia. O pulsar do baixo, a voz esganiçada da guitarra, o ritmo rápido e forte da bateria e as cordas vocais exigidas ao máximo. É só rock’n roll, mas eu gosto!

A Idade Média da minha vida

A minha pré-história fora feliz. Juventude, sorrisos e alegria. Na idade média da minha existência, você surgiu. Época de metal forjado, pontiagudo, letal. Período de trevas, fogueiras, perseguição. Com o tempo, o pouco amor sumiu, dando lugar à indiferença e a frieza das espadas, lanças e palavras. Hoje, novos tempos, muralhas derrubadas, galopar e cabelos ao vento. Só preciso recordar como se pronuncia e se sente felicidade.

A lágrima e a rosa vermelha

Sempre me disseram que as rosas vermelhas simbolizavam o amor e a paixão. Eu jamais acreditei nisso. Hoje, a minha verdade se confirmou. Você não está mais aqui e as rosas estão no chão, pisoteadas e regadas pelas minhas lágrimas.

A recessão e o chocolate

Crise mundial, recessão econômica, bolsos vazios. Essas são palavras que andam martelando nossos ouvidos nos últimos tempos. Será que isso, além de outras mazelas, deixará a Páscoa desse ano menos doce? O orçamento do Coelho da Páscoa também será afetado? Já que estamos atravessando tempos bicudos e temos pela frente um futuro incerto e ainda encoberto pelo nevoeiro da economia, que tal adoçarmos isso tudo com chocolate? Um ovo de chocolate! Não seria perfeito? Afinal, além do bolso não estar completamente vazio, o ovo significa vida, continuação, recomeço. E o chocolate? Bem, ele tem o dom de adoçar nossas horas e alegrar nossas vidas, enquanto se derrete na boca. Feliz Páscoa a todos!

Plantando vida...

Trans
plantando

Analgésico

Detona
dor

Cônjuges...

Lar compartilhado...

Casa
mento

Vidas distantes...

Separa
ações

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Choque

Elétrica cadeira...
Punhos amarrados, chave ligada
Escuridão

Xadrez

Tabuleiro da vida...
Rei encurralado
Eu, preso na torre

Verdura...

Chuva caindo mansamente...
Entranhas da terra molhadas
Mansa e verde fertilidade!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

“?” !

Personagem 1: "?"...
Personagem 2: "?" ?
Personagem 1: "?" !
Personagem 2: Mas, por que não "!" ?
Personagem 1: Oras, e por que não pode ser "?" ?
Personagem 2: Ficam muitas dúvidas no ar...
Personagem 1: É que a minha vida é um constante "?" !
Personagem 1: E, além do mais, um "?" é melhor que "..." ...
Personagem 2: ...

Cada uma...

Paraíso

Enquanto a lua brilha, as estrelas cintilam e a brisa nos acaricia, o coração dispara e o meu eu se eleva, te vendo caminhar nua pelo quarto, ante meus olhos esbugalhados... A beleza definitivamente não está lá fora...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Primeiro de abril

Primeiro de abril... Acordei atrasado! Trânsito caótico, carros quase me esbarrando a cada esquina, motoristas desatentos e ao celular. Estudantes conversando fora dos muros da escola, mesmo depois do início das aulas. Aquela tintura de cabelo caju, reluzindo contra o sol... Deve ser tudo mentira...