quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Caneco(a)s...


Canecas com água,

Canecas de vinho,

Canecas de chopp,

                                                                          Abraços,

                                                                           Carinho...

                                                                      Canecas de café,

                                                                      Canecas de suco,

                                                                      Canecas de leite,

                                                                      Canecas com vodca,

                                                                       Canecas com rum,

                                                                               Risos,

                                                                               Deleite...

                                                                               Caneco,

                                                                               Amizade,

                                                                                 Grito,

                                                                                 Eco...

                                                                       Canecas, por que?

                                                                         Sei lá...canecas!
                                                        
                                                                         Sei lá... canecos!


Foto: Jefferson Dieckmann

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Garoa...

 Terça-feira, dia escuro, cinzento. Hoje está garoando. É aquela chuvinha fina e insistente que não molha muito, mas que exige que se saia para a rua de guarda-chuva. Pela televisão, assistimos o desespero de pessoas que perderam móveis, roupas e as próprias casas com as tempestades dos últimos dias. Os rios ainda estão com seus níveis vários metros acima do normal e a vida ainda vai demorar para retornar à rotina para essas populações ribeirinhas. Parece que nesses dias, a tristeza e a falta de paciência afeta muita gente. No trânsito, percebemos que a irritação é maior e nos rostos os sorrisos estão mais escassos. Enfim, vamos esperar que o sol reapareça e o nível das águas volte ao normal. Um bom dia! Espero...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Tempestades...!

Na noite que passou, choveu à cântaros, assim como na manhã dessa segunda-feira. A quantidade de água é tão absurda que, as calhas das casas não dão vencimento e não tem vazão suficiente, acabando por transbordar. Várias ruas, entre minha casa e o trabalho estão com água pela altura da metade das rodas dos carros. E a previsão do tempo promete mais chuva para as próximas horas. O que será de nós? O que está acontecendo no mundo, em termos de clima? Só pode ser a vingança da natureza contra nós por tamanho descaso com desmatamentos, descarte de lixo em rios e nos oceanos e pela poluição em forma de fumaças, gases e vapores. Só nos resta desentupir as calhas e rezar para que a chuva venha, mas com mais calma. Rezemos...

domingo, 27 de setembro de 2009

Domingo...

Domingo bonito, com sol e muito vento. Como eu não sou velejador, ficarei dentro de casa. Hoje é um daqueles dias em que se precisa pensar em qual o prato vamos fazer de almoço. Acho que é muito mais fácil pedir algo pronto, mesmo que seja uma pizza. Infelizmente, os tempos dos animados almoços de família, passaram. Os domingos não foram feitos para se sair de casa, eu acho. Para mim, é um dia para se ficar quieto, dormir até mais tarde, escrever, e depois disso tudo, preferencialmente, não se fazer nada! Não é bom? É um dia mais silencioso, que se não fosse pelo Bob estar latindo como um louco para o vento, estaria reinando a paz completa. É...o vento persiste. Mas, como eu já disse que não preciso içar as velas, vou fechar a cortina e cochilar um pouco mais. Até depois...!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

É só a solidão...

O final de semana se aproxima e aumenta o vazio de muita gente. Quando o final do expediente de sexta-feira chega e a noite cai, se aproxima uma velha companheira das horas impróprias: a solidão. E, é um velho hábito alimentá-la com lembranças e com tristezas, o que ela gosta muito. Para complicar, robusta, ela se instala bem no meio da sala de estar. E quem disse que alguém tira a infeliz de lá? Dias sombrios, noites frias e uma péssima companhia é o que vêm por aí... Até segunda!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Curitiba testa energia solar na iluminação do Parque Barigüi


A Prefeitura de Curitiba está testando o uso de energia solar na iluminação pública do Parque Barigüi. A Secretaria Municipal de Obras Públicas instalou no parque seis postes com sistema fotovoltaico, que capta a energia do sol durante o dia e a converte em energia elétrica para ser usada à noite.


A escolha pelo parque Barigüi para esta fase de teste, é devido o parque ser um ícone da cidade e pela relação do parque com o meio ambiente. Os postes foram instalados perto do restaurante do parque e devem permanecer em teste até a primeira semana de outubro.

Nesse período, a Prefeitura irá avaliar o custo/benefício do sistema em relação à eletricidade convencional. Será feito um cálculo do gasto atual com o consumo de energia convencional com o custo de investimento em energia solar. Se os resultados forem positivos, a ideia é substituir os 102 postes de iluminação da pista de caminhada do Barigüi por energia solar.

Os postes solares têm seis metros de altura. As baterias ficam no topo do postes, perto da lâmpada. Cada poste é uma unidade independente, o que dispensa um sistema de cabos elétricos entre eles. Não é preciso sol intenso para a captação de energia, que já ocorre com a claridade natural.

Ainda, não precisa escavar e enterrar cabos.

Fonte: Prefeitura Municipal de Curitiba
Foto: Valdecir Galor/SMCS

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Dia a dia...

Quem tem uma filha moça, sabe bem do que estou falando. Diariamente, cedo da manhã, levo minha filha para a faculdade. Como o tempo é curto e o sono de todos é grande, muitas coisas são feitas no carro, durante o percurso. É maquiagem, é “modelador de cilhos” (acho àquilo um instrumento de tortura), batom, rímel, perfume, etc. Geralmente chegamos no horário e ela desce do carro pronta e bonita. Curiosidades do cotidiano...

terça-feira, 22 de setembro de 2009

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ocupado...

A esposa ligava a cada cinco minutos. Era para lembrar do vencimento da conta do telefone, do colégio dos filhos, de que ele ainda não havia passado no supermercado nem feito o depósito na conta da mãe dela. Ligava novamente, agora para saber a que horas ele chegaria em casa. O filho lhe ligava perguntando se já havia ido buscar o computador na assistência técnica. A filha, ligando para saber se ele havia encontrado àquele condicionador de cabelos que a amiga lhe indicara. A empregada ligava para lembrar que o sabão em pó havia acabado e se ele poderia trazer o pagamento dela no final do dia. Sem pensar muito, levantou de sua mesa no escritório, plantou o celular no vaso de arruda e saiu a passos lentos, falando sozinho...

domingo, 20 de setembro de 2009

É 20 de Setembro!



Salve o 20 de Setembro! Hoje, o Rio Grande do Sul comemora a data máxima do Estado! É a homenagem do povo gaúcho à Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha que aconteceu no Estado entre 1835 e 1845. A minha cidade, São Lourenço do Sul, está ligada à história da Revolução Farroupilha. Na localidade chamada Boqueirão aconteceu uma importante batalha entre os farrapos e as forças monarquistas, com a vitória das tropas farrapas de Manoel Lucas de Oliveira sobre o exército monarquista de Francisco Pedro de Abreu. Um ponto importante da cidade, ligado à revolução, é a Fazenda do Sobrado, que está situada a 1 km do centro da cidade, às margens da Laguna dos Patos, tendo sido construída no final do século XVIII.


No período da Revolução Farroupilha, o Sobrado serviu de quartel general para Bento Gonçalves e seus comandados e foi com o apoio logístico do Sobrado que Garibaldi construiu seus navios para atacar Laguna em Santa Catarina . Era no Sobrado que se reunia o alto comando da deliberação sobre os rumos da guerra na região do litoral sul.

Na Revolução Farroupilha todo o Governo de Pelotas ficou acéfalo. Os ricos, monarquistas, fugiram todos para Rio Grande. Então, toda a região sul do Estado ficou centralizada em Boqueirão, e o chefe deste governo, Chefe Farroupilha, foi Inácio José de Oliveira Guimarães que deu todo apoio logístico aos Farrapos através dos escravos, fornecendo cavalos e gado, inclusive com a construção de barcaças, com auxílio da Fazenda do Sobrado.

O nome atual do município de São Lourenço do Sul tem origem na Fazenda São Lourenço, também conhecida desde aquela época como Estância do Sobrado, que foi diversas vezes requisitada, não só no período de Revolução Farroupilha, como também na Guerra do Paraguai. Na Revolução Farroupilha, muitas vezes, Bento Gonçalves veio ao Sobrado para acertar contatos políticos.

Desde o final do século XVIII, a Estância era conhecida dos navegantes da Lagoa, pois o Sobrado servia de farol com um lampião que Donana conservava todas as noites em uma janela bem do alto, pois de Pelotas a Porto Alegre não existia nenhuma construção daquele porte à margem da Laguna dos Patos. Enfim, essa é mais uma página da história de lutas e heroísmo do Sul do Brasil.

 
Imagem: www.museujuliodecastilhos.rs.gov.br/
Fonte: http://www.portalcostadoce.com.br/site/fazendasobrado.asp

sábado, 19 de setembro de 2009

Na caneca...



                                                                      Copos repletos

                                                                      De esperança...

                                                                      Pratos cheios

                                                                      De alegria...

                                                                      Bules inteiros

                                                                      De felicidade...

                                                                      Panelas preparando

                                                                      Prosperidade...

                                                                      Toda essa vida,

                                                                      Essa beleza,

                                                                      Essa magia

                                                                     Eu bebo é na caneca...!


Foto: Jefferson Dieckmann

Nas alturas...


Acho que nunca se voou tanto no Brasil. Com os preços em baixa, comparando-se muitas vezes a passagens de ônibus, o brasileiro lota os aeroportos e os aviões. Ganha-se em tempo e em conforto, para dizer o mínimo. Apertem os cintos e boa viagem!

Foto: Jefferson Dieckmann

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Mais uma da série "belezas à beira da estrada"...

Mais uma da série "belezas à beira da estrada". Pequena queda d'água em decorrência da chuva, descendo a encosta de um morro, na Serra da Esperança, entre os municípios de Guarapuava e Prudentópolis, Estado do Paraná. A foto foi tirada de dentro do carro e com o celular, para a bronca do primo Lauro Dieckmann.


Foto: Jefferson Dieckmann

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Lá em baixo, atrás da neblina...

´
É comum se falar que o clima em Curitiba é complicado. O frio, a chuva e a umidade são companheiros diários e constantes. Fala-se que ocorrem as quatro estações em um único dia. Esse fator até afugenta muitas pessoas que pensavam em se mudar para a cidade. A foto mostra o posto de pedágio localizado no alto da serra de São Luiz do Purunã, o último antes de chegar à capital paranaense, vindo do norte/oeste do Estado. Lá em baixo, no horizonte, está Curitiba, atrás desse mar de neblina.  Mas, o fator clima não é nada que após alguns anos vivendo aqui, a gente não acostume. Afinal, a cidade é muito boa para se viver!


Foto: Jefferson Dieckmann

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

História...


Eu gosto muito de fotografias antigas. Acho que elas contam a nossa história e nos lembram de onde viemos. E, quem não sabe de onde veio, não saberá para onde vai ou pode ir. Na foto acima, meu pai e um jovem amigo na época. O local é a nossa cidade natal, São Lourenço do Sul – RS. A época, a década de 60. O jovem se trata do hoje advogado e escritor lourenciano, Jairo Scholl Costa.

domingo, 13 de setembro de 2009

Beleza às margens do asfalto...

Esta é, normalmente, uma pequena queda d'água situada próximo a cidade de Guarapuava, centro-sul do Paraná. Ela se situa às margens da BR-277 e é um ponto daqueles que chamam a atenção pela beleza, sempre que se passa por ali. Com a grande quantidade de chuvas dos últimos dias, o volume de água se multiplicou várias vezes e a imagem vista por lá era essa, na semana que passou. A foto foi tirada de dentro do carro em movimento, com o telefone celular. Apreciem...


Foto: Jefferson Dieckmann

sábado, 12 de setembro de 2009

Copos

Copos


                                                                 Copos cheios

                                                                 De água,

                                                                 De carinho,

                                                                 De vinagre,

                                                                 De vinho,

                                                                 De amizade,

                                                                 De preguiça,

                                                                 De vontade...

                                                                 Copos em pé,

                                                                 Copos deitados,

                                                                 Copos caídos,

                                                                 Copos quebrados...

                                                                 Copos repletos

                                                                 Na vida

                                                                 Na morte,

                                                                 Copos esvaziados...

Foto: Jefferson Dieckmann

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A visita do Urutau

Dia desses, no pátio da empresa onde eu trabalho, recebemos uma visita inusitada. Tratava-se de um "urutau". O urutau é uma ave de hábitos noturnos. Sua alimentação é constituída basicamente de insetos que apanha em pleno vôo, principalmente os grandes, porém pode comer outros animais de pequeno porte, como morcegos, lagartos e pequenos pássaros. É uma ave que utiliza muito bem sua plumagem para se camuflar. Normalmente se passa por um pedaço de madeira, um galho de árvore ou mesmo troncos partidos ou em pé. Costuma ficar estático, não se assustando facilmente. Alcança até 37cm, fora a cauda. Não é uma espécie acostumada ao convívio urbano. Eles também são chamados de mãe-da-lua. Estranhamente, o personagem da foto amanheceu pousado sobre a placa de concreto na entrada de nosso prédio e ali permaneceu até o meio da tarde. Durante esse tempo todo, permaneceu imóvel, certo que o estávamos confundindo com um tronco de madeira. Lá pelas quinze horas, o nosso ilustre visitante resolveu bater asas e desapareceu em meio ao bosque existente no terreno da empresa. Especialistas nos disseram que fatos como esse, é algo um tanto raro, principalmente pelo fato do local escolhido pelo nosso personagem ser muito próximo de um grande número de pessoas. Assim sendo, que ele volte mais vezes. Certamente, será muito bem recebido.


Fonte: Wikipédia
Foto: Jefferson Dieckmann

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Eu não usava boné!

Pode até ser a seqüência da eterna diferença de opiniões e gostos entre as gerações. Na minha época de jovem, existia sim, uma implicância dos mais velhos em relação a nós. Mas, era geralmente em relação aos cabelos, que influenciados pelos Beatles, começavam a ficar cada vez mais compridos. Porém, em contraposição a isso, mantínhamos uma postura de educação e observância de regras que penso que não fazia mal nenhum. Naquele tempo, existiam normas de conduta como tirar os chapéus ao sentar-se à mesa para as refeições, por exemplo. Era uma questão de boa educação e respeito para com as pessoas e com o ambiente onde era feita a refeição. Certo? Errado? Não sei. Só sei que era algo bom, agradável, ordeiro. Percebo que atualmente, os nossos jovens perderam totalmente esses hábitos. Não quero parecer retrógrado nem conservador, mas o que se percebe hoje, é no mínimo, deseducado e deselegante. O trato com os seus próprios corpos me parece algo meio desnorteado. São piercings cravados na pele e na carne, como um retorno aos tempos mais bárbaros dos homens primitivos. Tatuagens eclodindo aos montes, pigmentando e “enfeitando” (?) peles. Já vi muitas pessoas recorrerem a clínicas de cirurgia plástica para se livrar das incômodas e muitas vezes horríveis tatuagens. Aí, vem a necessidade de cirurgias plásticas, de tratamentos a laser e coisas do tipo. Correntes, brincos, anéis e pulseiras engrossam o novo visual de jovens e adolescentes, muitas vezes influenciados por ídolos da música ou outros artistas. Mas, sem dúvida alguma, o campeão de presença e de motivos para discórdia, são os bonés. O que deveria, a princípio, ser um acessório para proteger as cabeças em dias de sol, se tornou algo contínuo, assíduo, irremovível. O indefectível boné é usado da manhã até a noite. São inúmeras as queixas de professores em escolas e universidades, de pais nos horários das refeições e de gerentes de estabelecimentos comerciais e culturais, onde se desaprova o insistente uso do boné. Como já disse, não quero parecer um velho ranzinza, um ser do passado ou um sobrevivente de eras remotas, mas penso que o que seria um acessório para uso nas ruas, nos parques ou nas praias, se tornou parte integrante e inseparável dos couros cabeludos infantis e juvenis. Sei que se opiniões e conselhos fossem bons, não seriam dados e sim, vendidos. Por isso, não quero aqui ir de encontro a ninguém. Fica, apenas um registro de alguém que parece não fazer parte dessa época e nem entender alguns hábitos e costumes do moderno mundo em que estamos vivendo. Mas, como estamos em um mundo livre, que todos ajam e usem o que bem entenderem. E, salve-se quem puder!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

09/09/09

Nove de setembro de 2009 ou, nove do nove do zero nove! Eu tenho um especial apreço por datas como a de hoje. Não se trata de superstição ou de qualquer mania. Ocorre, que fatos marcantes aconteceram na minha vida nestas ocasiões. O mais relevante desses fatos, foi a minha vinda para o Paraná. Eu deixei a minha terra natal, São Lourenço do Sul, no Rio Grande do Sul, exatamente no dia 07/07/77 ou, sete de julho de um mil novecentos e setenta e sete. Não é um bom motivo para prestar atenção em datas como a de hoje? Eu acho que é!

Serviço Militar

Bom dia! Acabo de chegar em casa, depois de levar meu filho para se apresentar no quartel do Exército. O local é o 5º B LOG, no bairro Pinheirinho, em Curitiba. Confesso que senti um misto de orgulho e pena dele. Orgulho, pelo fato dele estar se tornando adulto. Pena, quando penso que àquele que , até pouco tempo atrás estava no meu colo, já está lá, em fila, fazendo ordem unida, às 06h30min da manhã. O dia ainda nem amanheceu e a previsão é da continuação da chuva que assolou os estados do Sul, ontem. Será que aqueles meninos já vão tomar um banho de chuva no dia de sua apresentação? Só nos resta ficar torcendo pelos filhos, a espera que eles tenham melhor sorte que a nossa, na vida.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

A semana da Pátria


Ao acordar hoje, no dia da Independência, lembrei da minha infância no Rio Grande do Sul. Naquela época, o Sete de Setembro era algo quase que sagrado. O desfile dos alunos de todos os colégios, fossem públicos ou particulares, era obrigatório. Nossos pais faziam uniformes novos para nós, de gala, especialmente para o desfile cívico. E, embora fôssemos crianças, levávamos a sério! Afinal, pais, mães e toda a população da cidade estavam nas ruas nos observando. Marchávamos, em ritmo quase militar, sem errar o passo.  No colégio onde eu estudava, o “Nossa Senhora Estrela do Mar” ou “colégio das irmãs”, o uniforme era branco. Incluía até um “casquete” na cabeça. Era uma espécie de boina militar, que usávamos com o maior orgulho. Eu, depois de maior, já passei a tocar na banda do colégio, o que era ainda melhor, pois assim éramos mais vistos e, quem sabe até observados com alguma atenção pelas meninas. Percebo que, nos dias de hoje, os desfiles da Semana da Pátria já não tem tanta importância e nem causam qualquer reação de satisfação nas crianças. Geralmente, o desfile é feito por obrigação e de cara feia. É o mundo que está mudando, as crianças já não estão recebendo noções de civismo ou eu é que parei no tempo?   

Como é possível?

Acordar sem amanhecer?
Vencer sem merecer?
Partir sem morrer?
Amar sem conhecer?
Me diga...!
Eu nem conheço você...

sábado, 5 de setembro de 2009

Arquejo...

O resto de ar que existe entre o instante do meu olhar e o momento do teu desprezo, é a esperança que eu ainda respiro...

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Veríssimo e eu...

Como eu acho que todo bom exemplo deve ser seguido, pedi permissão e tirei essa foto ao lado de um dos maiores escritores do Rio Grande do Sul e do Brasil, Luis Fernando Veríssimo. O local foi a porta do Theatro São Pedro em Porto Alegre, na saída do espetáculo "Tangos e tragédias" em janeiro de 2007. Sem dúvidas, ele é um dos grandes nomes da literatura brasileira. E, quem sabe, eu pudesse me inspirar um pouco neste grande autor gaúcho...

Dolorida perfeição...

Todos apreciam e aplaudem a beleza dos passos delicados e a leveza da bailarina. Mas, quase ninguém vê os seus pés machucados nos exaustivos ensaios, dentro das sapatilhas...

O olhar e o beijo...

Tu estavas tão linda! O brilho silencioso do teu olhar me convidou a um abraço. Nossos lábios não tardaram a se tocar...

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Depois...

Escrevo, na esperança de que um dia, saibam o que eu pensava e finalmente me conheçam...

Em suas garras...

Paradoxalmente, ela demonstrava mais o amor, a volúpia e o desejo, a medida que cravava as unhas nas costas dele com mais força. Dolorido, mas intenso prazer...