segunda-feira, 17 de março de 2008

O bambu

Desde que viemos ao mundo, somos obrigados a conviver e resolver problemas em todos os dias de nossas vidas. Eles são de diferentes ordens e tamanhos. Alguns são mais sérios, exigem um esforço maior, ao passo que outros são fáceis de resolver e servem até como um motivo para que o tempo passe mais rápido e a vida se torne menos enfadonha. Então, o que difere as pessoas quando elas estão frente a frente com um problema? Algumas se desesperam, choram, arrancam os cabelos e não conseguem resolver nada. Enquanto isso, outras tratam os obstáculos como algo possível de ser transposto, por mais difícil que aparentemente possam ser a primeira vista. Ao olharmos para a natureza, poderemos fazer uma comparação com o que se passa em nossas vidas. Os problemas são comparados ao vento de uma forte tempestade. Nós, somos as árvores expostas a este vendaval. Existem aqueles que querendo parecer fortes, não se intimidam e querem resolver tudo sempre na força bruta. Estas pessoas se comparam a uma figueira, que é forte e frondosa, mas que se exposta a um vendaval pode facilmente ser derrubada por querer sempre se manter forte e ereta. Devido a isso, a sua exposição ao vento é muito maior, frontal. Para que possamos passar pelos problemas, por mais difíceis que possam ser, deveríamos ser como o bambu. Mas, porque o bambu? Logo ele, que aparenta ser uma planta tão feia, comprida e desengonçada. Explica-se: o bambu como é humilde, se curva aos ventos e graças a isso, não se quebra. Ele também apresenta raízes profundas que se agarram firme ao solo. Dificilmente se vê um bambu sozinho. Eles geralmente são muitos, unidos, grudados uns aos outros e por isso, fortes. Se a raça humana se assemelhasse ao bambu, sendo humilde, tendo convicções profundas como as suas raízes e se mantivesse junta, unida, nenhum problema teria força para nos abalar. Sejamos bambus, sempre flexíveis, fortes e acompanhando os ventos da vida. De nada adianta ser uma figueira frondosa e caída, secando aos poucos, até morrer.
Postar um comentário