segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Miragem

A minha viagem corria tranqüila, quando ela surgiu. Ocupou o assento vago ao meu lado, sem nem me olhar. De canto de olho, vi aquela loura deslumbrante. Cabelos longos, rosto bonito, corpo escultural. Sentou e, parecendo cansada, adormeceu. Lá pelas tantas, o seu celular tocou. Do outro lado da ligação, alguém que parecia querer uma reconciliação. Ela, com uma voz angelical, dizia que não seria mais possível e que cada um deveria seguir os novos rumos de suas vidas. Ainda no meio do telefonema, levantou tão rápido quanto chegou. O ônibus parou e ela desceu no meio da estrada. Teria sido um sonho? Imaginação? Miragem? Mas, miragem deixa perfume no ar?
Postar um comentário