terça-feira, 16 de dezembro de 2008

As palavras que ninguém lê

É muito interessante ter uma coluna em algum meio de comunicação, seja ele um jornal, uma revista, ou um site na Internet. O bom é que ali se pode exprimir idéias, emitir opiniões e desenvolver pensamentos. Uma idéia maluca me surgiu agora. Mais interessante ainda, deve ser possuir um espaço assim que não seja lido por ninguém. Os artigos são ali colocados e lá permanecem intactos. As colunas são cuidadosamente digitadas e continuam incólumes. Os textos são publicados e permanecem no anonimato. Pode-se assim até contar segredos nesse espaço, pois eles ficarão bem guardados embora com acesso a qualquer um que se disponha a pesquisar. É até um jogo interessante esse, de esconder segredos em um local em que todo mundo possa ver. Se parece como um jogo de gato e rato, um caça-tesouros ou algo assim. Talvez um segredo revelado e não percebido até ganhe ares de algo maior. É como se fosse um risco corrido, porém calculado. Neste espaço, pode-se propor charadas, inventar enigmas ou simplesmente contar algo sério, fazer uma confissão, que não será nem notado. Corre-se ainda o risco de que quando isto for percebido, mesmo daqui a muitos anos, ganhar um prêmio pela criatividade. Nesse mundo maluco, quem sabe as palavras escritas e expostas para que ninguém perceba, não possam ser consideradas uma obra de arte? Seria uma arte abstrata, absorta, absorvida, ou simplesmente uma grande bobagem?
Postar um comentário