terça-feira, 8 de setembro de 2015

Invernia...


Comparei-te
a tempestade:
ventavas em mim.
Emaranhavas
meus cabelos.
Fechei as janelas
para te deixar livre.
Portas cerradas,
algemas abertas,
vestes esvoaçantes.
Mas, tal qual
o vento norte,
sempre voltas,
trazendo chuvas,
que me gelam a alma...

Postar um comentário