terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Tão perto, tão longe...

Quanto mais te quero
Quanto mais te prendo
Mais escapas de mim
Tal confessados medos
Tal areia entre os dedos
Tal revelados segredos...



Deixar-te mais livre
Talvez nos conduza
A uma doce paixão
Ou a um amor improvável
A um ombro a ombro
Olhar marejado e solidão...


04/01/2011
07h 19min

http://recantodasletras.uol.com.br/poesias/2708551
Postar um comentário