terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Janelas

A composição é comprida, mas mesmo assim, nada! No passar das janelas da vida, tenho tentado te encontrar. Mas, ou ela passa muito rápido ou é você que anda se escondendo. Corro para mudar de janela. Algumas, encontro ainda escuras pelo amanhecer da existência. Outras, já anoitecendo, pelo tempo passado e perdido. Mesmo nas mais claras e iluminadas, como a de ontem ou a de hoje, você também não está. Ou são as minhas lentes, já fracas, que não captam a tua imagem ou já é a sombra do desespero que a tudo encobre. Continuarei tentando nas próximas janelas, a de amanhã e a de depois, encontrar algum vestígio teu. Ou, ao menos, o teu perfume ainda no ar. Não se esconda mais! O comboio da vida é longo, mas um dia as janelas acabam e nos batemos de frente com o seu final. Se tivermos sorte, estaremos em alguma estação. Caso contrário, terminaremos perdidos em algum lugar, entre os trilhos simetricamente longos e frios.
Postar um comentário