domingo, 31 de março de 2013

Páscoas felizes...


Nos domingos de Páscoa, vem forte a lembrança do meu pai Elpídio (Nenê) Dieckmann. Nas Páscoas da nossa infância, era ele quem mais se animava ao preparar as nossas cestas e ninhos com as guloseimas. Com a constante participação da minha mãe, Maria, sempre atenta também, ele comprava os ovos de chocolate um ou dois dias antes, de acordo com a quantidade de dinheiro no bolso. No sábado de Aleluia, à noite, ele cozinhava ovos de galinha e os tingia em potes com anilinas coloridas. Eram ovos azuis, amarelos, vermelhos, verdes e de tantas cores quanto as anilinas permitissem. E fazia isso com a alegria de uma criança! Ao mesmo tempo, minha mãe enchia casquinhas vazias de ovos de galinha com amendoim açucarado e os fechava com papel colorido. No domingo, bem cedo, as nossas cestinhas eram escondidas no grande terreno da velha casa. Algum tempo depois, acordávamos e, ainda sonolentos, íamos para o quintal, perambulando em busca dos doces escondidos entre os arbustos e os pés de araçá, laranja, pêssego e pera. Tempos idos, mas que nunca saem da memória. Hoje, eu tenho a certeza. O coelho da Páscoa existia mesmo!!!

31/03/2013
15h 45min


http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/4217024


Postar um comentário